Olhe para qualquer droga neste blog

Carregando...

NARCAN

Composição - NARCAN
cada ml da solução injetável contém: cloridratode naloxona 0,400 mg, excipientes q.s.p. 1 ml. Excipientes: cloreto de sódio, água para injeção1, ácido clorídrico.


Posologia e Administração - NARCAN
Narcan pode ser administrado por via intravenosa, intramuscular ou subcutânea. O meio mais rápido de ação é alcançado por injeção1 intravenosa e é recomendado em situações de emergência. Desde que o período de ação de alguns narcóticos pode exceder aquele do Narcan, o paciente deve ser mantido sob contínua observação e repetidas doses de Narcan devem ser administradas, se necessário. Infusão intravenosa: Narcan deve ser diluído, para aplicação intravenosa, em solução salina normal ou solução de dextrose2 a 5%. A adição de 2 mg de Narcan em 500 ml de qualquer solução citada, fornece a concentração de 0,004 mg/ml. As misturas devem ser usadas dentro de 24 horas. Após 24 horas a solução restante não utilizada, deve ser jogada fora. A percentagem de administração deve ser dosada de acordo com a resposta do paciente. Drogas de uso parenteral antes de serem ministradas, devem ser fiscalizadas visualmente quanto a partículas e/ou descoloração sempre que a solução e o recipiente o permitirem. Narcan não deve ser misturado com preparados contendo bissulfato, ânions de cadeia longa ou alto peso molecular, ou qualquer solução contendo pH alcalino. Nenhum agente ou droga química deve ser acrescentada a Narcan, a menos que seu efeito na estabilidade química e física da solução tenha sido primeiro determinada. Uso em adultos: superdosagem de narcótico (comprovada ou suspeitada): uma dose inicial de 0,4 mg a 2 mg de Narcan deve ser aplicada por via intravenosa, se não conseguir o nível desejado de reação ou melhora nas funções respiratórias, deve repetir- se a dose com 2 ou 3 minutos de intervalo. Se nenhuma resposta for observada após administração de 10 mg do Narcan, o diagnóstico3 de indução por narcórtico ou toxicidade parcial por narcótico deve ser questionado. A aplicação intramuscular ou subcutânea pode ser necessária, se a aplicação intravenosa não puder ser feita. Depressão pós-operatória (por narcótico): para uma reversão parcial de depressão causada por narcótico após seu uso durante cirurgia, doses menores de Narcan, em geral, são suficientes. A dose de Narcan deve ser injetada de acordo com a reação do paciente. Para reversão inicial da depressão respiratória, Narcan deve ser injetado gradativamente de 0,1 a 0,2 mg por via intravenosa a 2 ou 3 minutos de intervalo, para se alcançar um nível apreciável de reversão, isto é, ventilação e estado de consciência adequados, sem dor ou desconforto significativos. Uma superdosagem de Narcan pode resultar numa significativa reversão da analgesia e aumento da pressão sangüínea4. Similarmente, uma reversão rápida pode ocasionar náuseas5, vômitos6, sudorese7 e estresse circulatório. Repetidas doses de Narcan podem ser necessárias, dentro de 1 ou 2 horas de intervalo, dependendo da qualidade, tipo, isto é, curta ou longa duração e tempo de intervalo, desde a última administração de narcótico. Doses suplementares, por via intramuscular têm mostrado um efeito maior e duradouro. Uso em crianças: superdosagem de narcóticos (conhecida ou suspeitada): a dosagem inicial comum, em crianças, é de 0,01 mg/kg/peso, aplicada por via I.V. Se esta dosagem não alcançar o nível ideal de melhora clínica, uma dose subseqüente de 0,1 mg/kg/peso pode ser ministrada. Se a via de aplicação I.V. não for possível, Narcan pode ser administrado por via I.M. ou subcutânea, em doses divididas. Se necessário, Narcan pode ser diluído com água esterilizada para injeção1. Depressão narcótica pós-operatória: seguir as recomendações sob o título Depressão pós-operatória em adultos. Para início da reversão da depressão respiratória, Narcan deve ser injetado em doses gradativas de 0,005 mg a 0,01 mg por via intravenosa a 2 ou 3 minutos de intervalo, para se obter um grau ideal de reversão. Uso em recém-nascidos: depressão induzida por narcótico: a dose inicial comum é de 0,01 mg/kg administrada por via I.V. ou S.C. Esta dosagem deve ser repetida de acordo com a orientação prescrita na administração para adultos, para depressão narcótica pós-cirúrgica.


Precauções - NARCAN
deve ser administrado cuidadosamente em pessoas, incluindo os recém- nascidos de mães sob suspeita de dependência física ao ópio. Nestes casos, uma abrupta e completa reversão dos efeitos do narcótico, pode ocasionar uma síndrome8 aguda de abstinência. Desde que a duração da ação de alguns narcóticos ultrapassem àquela de Narcan, o paciente que respondeu satisfatoriamente ao seu uso, deve ser mantido sob contínua vigilância e repetidas doses de Narcan devem ser ministradas, quando necessário. Narcan não é eficaz sobre a depressão respiratória causada por drogas não opiáceas. Em aditamento ao Narcan, outras medidas de ressuscitação, tais como ventilação artificial, vias aéreas livres, massagens cardíacas e agentes vasopressores, devem estar disponíveis e usadas quando necessário, para combater a intoxicação aguda causada por narcóticos. Vários exemplos de hipotensão9, hipertensão10, taquicardia11 ventricular e fibrilação, edema12 pulmonar têm sido relacionados e isto tem ocorrido em pacientes de pós-operatórios, mais do que naqueles em que se constata a preexistência de lesões cardiovasculares ou aqueles que tenham recebido outras drogas, as quais devem ter efeitos cardiovasculares adversos. Embora não se tenha estabelecido uma relação direta de causa e efeito, Narcan deve ser usado cuidadosamente em pacientes com preexistência de doenças cardíacas que tenham recebido drogas potencialmente cardiotóxicas. Não há, porém, um estudo adequado e bem controlado em mulheres grávidas. Narcan deve ser usado durante a gravidez13, somente em casos declaradamente necessários. Amamentação14: não se sabe se Narcan é excretado pelo leite humano. Devido a muitas drogas serem expelidas pelo leite humano, deve-se ter cuidado ao administrar Narcan em mulheres que amamentem.


Reações adversas - NARCAN
uma abrupta reversão à depressão narcótica pode resultar em náuseas5, vômitos6, taquicardia11 e aumento da pressão arterial, tremores e sudorese7. Em pacientes de pós- operatórios, uma superdose de Narcan pode resultar numa significativa reversão analgésica e excitação. A hipotensão9, hipertensão10, taquicardia11 ventricular, fibrilação, edema12 pulmonar têm sido associados ao uso de Narcan, quando administrado em pacientes de pós-operatórios. Alguns acessos ocorrem, sem freqüência após a administração de naloxona; embora uma relação casual não tenha sido estabelecida.


Contra-Indicações - NARCAN
pacientes que sejam hipersensíveis a ele.


Indicações - NARCAN
é indicado para uma completa ou parcial reversão da depressão causada por narcótico, inclusive depressão respiratória, induzida por ingestão de narcóticos opiáceos naturais ou sintéticos, como propoxifeno, metadona e analgésicos15 narco- antagonistas como nalbufina, pentazocina e butorfanol. Narcan é também indicado para o diagnóstico3 de suspeita de superdosagem aguda por ópio.


Apresentação - NARCAN
solução injetável: caixa com 10 ampolas de 1 ml.





NARCAN - Laboratório

Nenhum comentário:

Postar um comentário