Olhe para qualquer droga neste blog

Carregando...

GLIFAGE 850 mg

Glifage

Metformina1 500/850 mg


Forma farmacêutica e apresentação - GLIFAGE
Comprimido revestido
Embalagens com 30 comprimidos.
Uso oral - adulto


Composição - GLIFAGE

Glifage 500 mg

Cada comprimido revestido contém: Metformina1.................... 500mg
e excipientes (estearato de magnésio, hidroxipropilmetilcelulose e polividona)

Glifage 850 mg
Cada comprimido revestido contém: Metformina1.................... 850mg
e excipientes (estearato de magnésio, hidroxipropilmetilcelulose e polividona)



Indicações - GLIFAGE
Como agente antidiabético, associado ao regime alimentar, para o tratamento de:
Diabetes2 do tipo II, não- dependente de insulina3 (diabetes2 da maturidade, diabetes2 do obeso, diabetes2 em adultos de peso normal), isoladamente ou
complementando a ação das sulfoniluréias4;
Diabetes2 do tipo I, dependente de insulina3: como complemento da insulinoterapia em caso de diabetes2 instável ou insulino- resistente.


Contra-indicações - GLIFAGE

A metformina1 está contra- indicada em caso de:
Gravidez5.
Insuficiência renal6 orgânica ou funcional, inclusive casos leves (creatinina7 sérica >1,5mg/dl em adultos)
Patologias agudas comportando risco de alteração da função renal8: desidratação9 (diarréias, vômitos10), febre11, estados infecciosos e/ou hipóxicos graves (choque12, septicemia, infecção13 urinária, pneumopatia).
Insuficiência14 hepatocelular, intoxicação alcoólica aguda.
Descompensação ceto- acidótica, pré-coma15 diabético.


Precauções - GLIFAGE
Antes de iniciar o tratamento com a metformina1, deve ser medida a creatinina7 sérica (nível sérico de creatinina7 <1,5mg/dl em adultos) e, a seguir,
monitorada regularmente:
uma vez ao ano, em pacientes com função renal8 normal;
duas a quatro vezes ao ano, quando a creatinina7 sérica estiver no limite máximo normal, especialmente em pessoas idosas nas quais este limite é inferior.
É necessária cautela se houver qualquer elevação da creatinina7 sérica, por exemplo, no início da terapia diurética anti- hipertensiva.

Se houver necessidade de realizar exames radiográficos com utilização de contrastes (urografia16 excretora, angiografia17), deve- se interromper o tratamento com metformina1 48 horas antes dos exames, só o reiniciando decorridas 48 horas após a realização dos exames, de maneira a evitar ocorrência de acidose18 lática.


lnterações medicamentosas - GLIFAGE

Certos agentes hiperglicemiantes (corticoesteróides, diuréticos19 tiazídicos, contraceptivos orais) podem alterar o curso do diabetes2 e tornar necessário aumento da dose de metformina1 ou sua combinação com sulfoniluréias4 hipoglicemiantes20 ou terapia com insulina3.

A metformina1, usada isoladamente, nunca ocasiona hipoglicemia21. Entretanto, é necessário estar atento à potencialização de ação, quando é administrada em associação com insulina3 ou sulfoniluréias4 hipoglicemiantes20.


Reações adversas - GLIFAGE
Alterações gastrintestinais (pouco freqüentes com a forma de liberação prolongada), do tipo náuseas22, vômitos10 e diarréia23, que ocorrem mais no início do tratamento e desaparecem espontaneamente na maioria dos casos.


Advertência - GLIFAGE

A metformina1 pode desencadear ou contribuir para o aparecimento de acidose18 lática. A incidência24 de acidose18 lática pode e deve ser reduzida através da monitorização cuidadosa dos fatores de risco:
Condições - a insuficiência renal6 aguda, orgânica ou funcional, desempenha papel predominante, uma vez que a falta de excreção urinária leva a acúmulo de metformina1.
Sinais25 premonitórios - o aparecimento de cãibras musculares acompanhadas por alterações digestivas, dores abdominais e astenia26 intensa, em um paciente tratado com metformina1, deve despertar a atenção do médico. O tratamento deve ser interrompido se houver elevação dos níveis sanguíneos de lactato, acompanhada de aumento da creatinina7 sérica.

(Nota - as amostras de sangue27 para determinação do lactato devem ser tiradas com o paciente em repouso, sem utilizar garrote. Analisá-las imediatamente ou, caso necessário, transportá-Ias sobre gelo.)


Posologia e modo de usar - GLIFAGE

Não existe regime posológico fixo para o tratamento da hiperglicemia28 no diabete melito com a metformina1 ou qualquer outro agente farmacológico. A posologia da metformina1 deve ser individualizada, tomando como bases a eficácia e a tolerância ao produto. Não deve ser excedida a dose máxima recomendada que é de 2550 mg. O produto deve ser administrado de forma fracionada, junto com as refeições, iniciando- se o tratamento com doses pequenas e gradualmente aumentadas. Isto permite reduzir a ocorrência de efeitos colaterais gastrintestinais e identificar a dose mínima necessária ao controle adequado da glicemia29 do paciente.

No início do tratamento deve- se medir os níveis plasmáticos de glicose30, em jejum para avaliar a resposta terapêutica à metformina1 e determina a dose mínima eficaz para o paciente. Posteriormente, deve-se medir a hemoglobina31 glicosilada a cada três meses.

As metas terapêuticas devem ser a redução dos níveis de glicose30 plamática em jejum e de hemoglobina31 glicosada para níveis normais, ou próximos dos normais, utilizando a menor dose eficaz de metformina1, isoladamente ou em combinação com outros agentes.

Comprimidos de 500 mg

A dose inicial é de um comprimido duas vezes ao dia (no café da manhã e no jantar). Se necessário a de dose será aumentada, semanalmente, um comprimido até chegar ao máximo de cinco comprimidos diários, equivalentes a 2500 mg de metformina1 (dois no café da manhã, um no almoço e dois no jantar).

Comprimidos de 850 mg

A dose terapêutica inicial é de um comprimido no café da manhã. Conforme a necessidade, a dose será aumentada, a cada duas semanas, de um comprimido, até chegar ao máximo de três comprimidos, equivalentes a 2550 mg de metformina1 (um no café da manhã, um no almoço e um no jantar).

Pacientes diabéticos do tipo II (não- dependentes de insulina3):

A posologia média é de dois comprimidos ao dia, com 12 horas de intervalo, durante ou logo após uma refeição. A metformina1 pode ser usada isoladamente ou em combinação com sulfoniluréias4 hipoglicemiantes20.

Se a metformina1 for usada em substituição ao tratamento com sulfoniluréias4, a troca pode ser feita imediatamente.

Pacientes diabéticos do tipo I (dependentes de insulina3):

A metformina1 nunca substitui a insulina3 em casos de diabetes2 dependentes de insulina3. A associação de metformina1 pode, no entanto, permitir redução nas doses de insulina3 e obtenção de melhor estabilização da glicemia29.

Pacientes idosos

Uma vez que o envelhecimento está associado com redução da função renal8 e a metformina1 é eliminada, fundamentalmente, pelos rins32, o produto deve ser usado com cautela em pacientes idosos.



GLIFAGE 850 mg - Laboratório

Nenhum comentário:

Postar um comentário