INSULINA MISTA PURIFICADA

Composição - INSULINA1 MISTA PURIFICADA
suspensão injetável contendo 100 unidades(U- 100) de insulina1 zíncica bovina-suína purificada por ml. Cada ml contém: cristais de insulina1 zíncica bovina-suína purificada 100 unidades e os seguintes excipientes: Insulina1 Mista Purificada Regular: fenol, glicerina, água esterilizada Farm. Bras. Insulina1 Mista Purificada NPH: m-cresol, glicerina, fenol, sulfato de protamina, fosfato de sódio, água esterilizada Farm. Bras. Insulina1 Mista Purificada Lenta: acetato de sódio anidro, cloreto de sódio, metilparabeno, água esterilizada Farm. Bras. - Advertências: qualquer mudança de insulina1 deve ser feita cautelosamente e somente sob orientação médica. alterações na pureza, concentração, marca (fabricante), tipo (regular, nph, lenta, etc.), espécie (bovina, suína, bovina-suína, humana) e/ou método de fabricação (adn recombinante ou origem animal) podem resultar na necessidade de uma alteração na dose. Este ajuste poderá ocorrer na primeira dose ou durante as primeiras semanas ou meses.


Posologia e Administração - INSULINA1 MISTA PURIFICADA
o médico determinará qual a insulina1 a ser usada, quanto, quando e com que freqüência deve ser administrada. Este esquema é individualizado porque o diabetes2 é diferente em cada paciente. A dose usual de insulina1 pode ser afetada pelas variações na alimentação, atividade ou esquema de trabalho. O paciente deve seguir cuidadosamente as instruções médicas para evitar essas variações. Outros fatores que podem afetar a dose de insulina1 são: doenças - doenças, especialmente com náuseas3 e vômitos4, podem causar variações nas necessidades de insulina1. Mesmo que o paciente não esteja comendo, ele ainda necessita de insulina1. Paciente e médico devem estabelecer um plano diário nos casos de doença. Quando o paciente estiver doente, deve testar freqüentemente o sangue5 e a urina6 e pedir instruções ao médico. Gravidez7: um bom controle do diabetes2 é muito importante para a mãe e o feto. A gravidez7 pode dificultar o tratamento do diabetes2. Consultar o médico se estiver grávida, amamentando ou planejando engravidar. Medicação: as necessidades de insulina1 podem aumentar se o paciente estiver tomando outras drogas hiperglicemiantes, tais como, contraceptivos orais, corticosteróides, ou hormônios da tiróide. As necessidades de insulina1 podem ser reduzidas na presença de drogas hipoglicemiantes8, tais como, hipoglicemiantes orais9, salicilatos (por ex. aspirina), sulfas e certos antidepressivos. Notificar o médico sobre qualquer medicação adicional. Exercícios: os exercícios podem diminuir as necessidades orgânicas de insulina1 durante e algum tempo após a atividade. Os exercícios podem também acelerar o efeito de uma dose de insulina1, especialmente se o exercício envolver a área do local da injeção10 (por ex.: as pernas não devem ser usadas para injeção10 logo antes de correr). Discutir com o médico o ajuste de dose de acordo com os exercícios. Viagem: pacientes viajando a locais com mais de duas horas de diferença de fuso horário devem consultar o médico para ajuste de dose.


Precauções - INSULINA1 MISTA PURIFICADA
uso durante a gravidez7: o controle da glicemia11 é vital para assegurar o nascimento de uma criança saudável. A normalização da glicemia11 deve ocorrer antes da concepção12 e continuar durante toda a gravidez7. Uma vez que a gravidez7 pode piorar o diabetes2 e devido à importância de um bom controle da doença, as pacientes diabéticas que pretendem engravidar ou que já estejam grávidas devem procurar aconselhamento médico. As pacientes diabéticas que estejam amamentando podem necessitar de um ajuste na dose de insulina1 ou na dieta. Hipoglicemia13 (reação insulínica): a hipoglicemia13 (muito pouca glicose14 no sangue5) é uma das mais freqüentes reações adversas experimentadas pelos usuários de insulina1 e pode ser causada por: administração de muita insulina1; perda ou atraso das refeições; exercício ou trabalho acima do normal; doenças infecciosas (principalmente com diarréia15 ou vômito16); alterações na necessidade de insulina1 por parte do organismo; doenças das glândulas17 supra- renais, hipófise18 ou tiróide ou evolução de doença renal19 ou hepática; interações com outras drogas que diminuem a glicose14 no sangue5, tais como, hipoglicemiantes orais9, salicilatos (por ex.: aspirina), sulfas e alguns antidepressivos; consumo de bebidas alcoólicas. Os sintomas20 de hipoglicemia13 de leve a moderada gravidade podem ocorrer subitamente e incluem: sudorese21, tontura22, palpitação23, tremor, fome, inquietação, sonolência, distúrbios do sono, ansiedade, visão embaçada, dificuldade de fala, humor deprimido, tremor (nas mãos, pés, lábios ou língua), sensação de cabeça leve, incapacidade de concentração, cefaléia24, irritabilidade, comportamento anormal, movimento instável, alterações da personalidade. Os sintomas20 de hipoglicemia13 grave incluem: desorientação, inconsciência25 e convulsões podendo levar à morte. Portanto, é importante que seja obtida assistência médica imediatamente. Os primeiros sintomas20 de alerta de hipoglicemia13 podem ser diferentes ou menos pronunciados sob certas condições, tais como, longa duração do diabetes2, presença de neuropatia26 diabética, medicações, tais como, betabloqueadores, alterações na formulação de insulina1 ou intensificação no controle do diabetes2 (três ou mais injeções de insulina1 por dia). Sem o reconhecimento dos primeiros sintomas20 de alerta, o paciente pode não ser capaz de tomar as providências para evitar uma hipoglicemia13 mais grave. Portanto, deve estar alerta para todos os vários tipos de sintomas20 que podem indicar hipoglicemia13. os pacientes que apresentaram hipoglicemia13 sem os primeiros sintomas20 de alerta, devem monitorar a taxa de glicose14 no sangue5 freqüentemente, especialmente antes de atividades, tal como, dirigir. Se a taxa de glicose14 no sangue5 estiver abaixo da glicemia11 normal em jejum, o paciente deve comer ou beber alimentos contendo açúcar27 para corrigir a hipoglicemia13. A hipoglicemia13 de leve a moderada gravidade pode ser tratada com ingestão de alimentos ou bebidas contendo açúcar27. Os pacientes devem ter sempre à mão uma fonte rápida de açúcar27, tais como, balas/drops açucarados ou tabletes de glicose14. A hipoglicemia13 mais grave pode requerer assistência médica. Pacientes incapazes de ingerir açúcar27 por via oral ou que estejam inconscientes, necessitam de injeção10 de glucagon28 ou devem ser tratados com a administração intravenosa de glicose14 em locais médicos apropriados. Os pacientes devem aprender a reconhecer os sintomas20 próprios de hipoglicemia13. Se não há segurança com relação aos sintomas20, monitorar a glicose14 no sangue5 com freqüência, para ajudar a reconhecê-los. Se houver episódios freqüentes de hipoglicemia13 ou dificuldade em reconhecer os sintomas20, consultar o médico para discutir possíveis alterações na terapia, planos de alimentação e/ou programas de exercícios para ajudar a evitar a hipoglicemia13. Hiperglicemia29 e acidose30 diabética: a hiperglicemia29 (muita glicose14 no sangue5) pode ocorrer se o organismo tiver muito pouca insulina1. A hiperglicemia29 pode ser causada por: não tomar ou tomar menos insulina1 do que a prescrita pelo médico. Comer acima do regime alimentar estabelecido. Desenvolvimento de febre31 ou infecção32 ou outra situação de estresse. Em pacientes com diabetes2 insulinodependente, a hiperglicemia29 prolongada pode resultar em acidose30 diabética. Os primeiros sintomas20 de acidose30 diabética aparecem gradativamente, após um período de horas ou dias, e incluem sensação de fadiga, faces coradas, sede, perda de apetite e hálito com odor de fruta. Na acidose30, os testes de urina6 mostram grande quantidade de glicose14 e acetona. Os sintomas20 mais graves são respiração difícil e pulso acelerado. Se não tratada, a hiperglicemia29 prolongada ou a acidose30 diabética podem levar à náusea33, vômito16, desidratação34, perda de consciência ou morte. Portanto, é importante receber assistência médica imediatamente.


Reações adversas - INSULINA1 MISTA PURIFICADA
lipodistrofia35 - raramente, a administração subcutânea de insulina1 pode resultar em lipoatrofia36 (depressão na pele) ou lipo-hipertrofia37 (aumento ou espessamento do tecido38). Se notar qualquer uma dessas condições, consultar o médico. Uma mudança na técnica de injeção10 pode ajudar a aliviar o problema. Alergia39 à insulina1: alergia39 local ocasionalmente, os pacientes apresentam vermelhidão, inchaço e coceira no local da injeção10 de insulina1. Esta condição, chamada de alergia39 local, usualmente desaparece em poucos dias ou em poucas semanas. Em alguns casos, esta condição pode estar relacionada a outros fatores, tais como, irritação causada por drogas para limpeza de pele ou técnicas inadequadas de injeção10. Se aparecerem reações locais, contatar o médico. Alergia39 sistêmica - menos comum, mas potencialmente mais grave, é a alergia39 generalizada à insulina1, que pode causar erupção em todo o corpo, falta de ar, chiado, queda na pressão sanguínea, pulso acelerado ou sudorese21. Casos graves de alergia39 generalizada podem causar risco de vida. Se notar que está tendo uma reação alérgica40 generalizada à insulina1 contatar um médico imediatamente.





INSULINA MISTA PURIFICADA - Laboratório

Nenhum comentário:

Postar um comentário