ARIFENICOL

ARIFENICOL®
Cloranfenicol
1.000 mg


Forma Farmacêutica e Apresentação - ARIFENICOL
Pó para solução injetável: Embalagem contendo 1 ou 50 frascos- ampolas + diluente. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição - ARIFENICOL
Cada frasco- ampola contém: succinato sódico de cloranfenicol liofilizado equivalente a 1000 mg de cloranfenicol.
Cada ampola do diluente contém: água para injeção1, estéril e apirogênica.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE - ARIFENICOL
· · O produto deve ser mantido em local fresco e seco.· Ao adquirir um medicamento, verifique o prazo de validade na embalagem. O produto mantém sua estabilidade, desde que sejam
· observados os cuidados de conservação indicados. Não utilize medicamentos após vencido o prazo de validade.
· Informe seu médico a ocorrência de gravidez2 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamen-
· tando.
· Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre as doses e a duração do tratamento.
· Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
· Informe imediatamente seu médico o aparecimento de qualquer reação desagradável, tais como: febre3, sangramento, anemia4, fra-
· queza e mal- estar.
· As crianças são mais sensíveis à toxicidade deste medicamento, principalmente recém- nascidos. Observar se eles apresentam
vômitos5, respiração irregular, palidez e temperatura baixa.
· O produto é contra- indicado em pacientes alérgicos ao cloranfenicol ou derivados. A utilização deve ser cuidadosa na insuficiência6
· hepática ou renal7.
· Durante o tratamento evitar imunizações ativas (vacinas), assim como a ingestão de álcool.
· TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
· Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
· NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - ARIFENICOL
Características - ARIFENICOL
O cloranfenicol é um antibiótico com atividade principalmente bacteriostática. Seu espectro de ação é bastante próximo ao das tetraciclinas e inclui bactérias Gram- positivas e Gram-negativas, ricketsias e clamídias.


Indicações - ARIFENICOL

Infecções causadas por germes sensíveis ao cloranfenicol.
O cloranfenicol deve ser reservado para infecções graves nas quais outros antibióticos menos tóxicos são ineficazes ou contra- indicados. O cloranfenicol não é indicado para o uso profilático em infecções.


Contra-indicações - ARIFENICOL
É contra- indicado em pacientes alérgicos ao cloranfenicol ou derivados, em portadores de depressão medular, nas discrasias sangüíneas8 ou insuficiência hepática9.
Em recém- nascidos e prematuros a concentração sérica deve ser monitorizada. Não deve ser usado na gravidez2, principalmente nas últimas semanas, pelo risco de síndrome10 cinzenta do recém-nascido.
Pacientes utilizando medicamentos antineoplásicos ou radioterapia11 devem evitar o uso de cloranfenicol, devido ao risco de depressão medular.


Precauções e Advertências - ARIFENICOL

O cloranfenicol passa para o leite materno, podendo provocar depressão medular ou síndrome10 cinzenta do recém- nascido.
Em recém- nascidos o cloranfenicol só deve ser utilizado se não houver outra alternativa de antibioticoterapia, e com monitorização dos níveis séricos.
O uso de cloranfenicol deve ser evitado em pacientes com anemia4, sangramentos, doenças hepáticas ou renais. Em insuficiência renal12 ou hepática as doses devem ser reduzidas.
Evitar o uso durante imunizações ativas e em conjunto com fármacos depressores da medula óssea.
O uso de cloranfenicol pode provocar aumento da incidência13 de infecções dentárias, cicatrização lenta e sangramento gengival. Pacientes com deficiência de G- 6-PD podem ter crises hemolíticas com o uso do medicamento.
Pacientes com porfiria14 tem o risco de crises aumentado.
O uso de antibióticos pode resultar em proliferação de microorganismos resistentes. Se aparecerem novas infecções por bactérias ou fungos durante a terapia, deve- se tomar medidas apropriadas.
O cloranfenicol pode provocar depressão da medula óssea, nem sempre reversível; este risco é maior em tratamentos prolongados, por isso o uso deste medicamento não deve ultrapassar a dez dias. Quando necessário tratamentos mais longos, devem ser rigorosamente realizados exames periódicos de controle hematológico.
Pacientes diabéticos devem ser advertidos que o cloranfenicol pode provocar falsas reações positivas de glicosúria15.
O cloranfenicol pode provocar diminuição da síntese de vitamina16 K, o que poderia causar sangramento quando o seu uso é prolongado.


Interações medicamentosas - ARIFENICOL
· ·Álcool: podem ocorrer reações semelhantes ao dissulfiram.· Antiepilépticos (fenobarbital e hidantoína) e warfarina: podem diminuir a concentração sérica de cloranfenicol. Além disso, a inibição do sistema citocromo P- 450 pelo cloranfenicol pode diminuir o metabolismo17 do fenobarbital, hidantoína e warfarina, elevando os níveis séricos destes fármacos.
· Piridoxina: o cloranfenicol aumenta sua excreção renal7.
Vitamina16 B12: o cloranfenicol pode reduzir o efeito hematológico da vitamina16 B12.
· Alfentanil: tem o seu clearence diminuído, resultando em acúmulo sérico.
Antidiabéticos orais18: o cloranfenicol pode inibir o metabolismo17 hepático destes fármacos, aumentando seus efeitos.
· Eritromicinas e lincomicinas: o cloranfenicol antagoniza seus efeitos; deve- se evitar o uso concomitante.
· Ativadores de enzimas hepáticas (rifampicina, fenobarbital, etc.): aumentam a degradação de cloranfenicol.
· Penicilinas: pode haver diminuição da ação bactericida das penicilinas.

Interferências em exames laboratoriais - ARIFENICOL

O cloranfenicol pode causar falsos resultados positivos de glicosúria15. O teste de Bentiromide é alterado, pois o cloranfenicol provoca aumento da quantidade de PABA recuperada.


Efeitos colaterais - ARIFENICOL
· · Reações hematológicas: Depressão medular dose dependente mais comumente observada quando as concentrações séricas ultrapassam 25 microgramas por ml; esta afecção é geralmente reversível com a suspensão do fármaco. A anemia4 aplástica é uma reação idiossincrática grave que ocorre em 1 a cada 25.000 a 40.000 pacientes tratados com cloranfenicol; não tem relação com a dose ou duração do tratamento, a maioria dos casos está relacionada ao uso oral e seu aparecimento ocorre em geral várias semanas ou meses após o uso do fármaco. Foram descritos casos raros de leucemia19 após anemia4 aplástica provocada pelo cloranfenicol, porém essa correlação não está ainda totalmente definida. Síndrome10 cinzenta do recém- nascido: é caracterizada por distensão abdominal, vômitos5, flacidez, cianose20, colapso circulatório e morte; provavelmente ocorre por acúmulo sérico do fármaco pela incapacidade do neonato21 em conjugar e eliminar o cloranfenicol.
· Se o uso em recém- nascidos é necessário, a dose deve ser de 25 mg/kg/dia e o nível sérico monitorizado. Adultos com ingestão acidental de doses muito elevadas podem apresentar esta reação.
Neurite22 óptica ocorre raramente com o uso prolongado, a diminuição da acuidade visual é em geral reversível.
· Outros sintomas23 neurológicos raros: neurite22 periférica, cefaléia24, depressão, oftalmoplegia e confusão mental.
· Reações de hipersensibilidade são raras.
· Reações gastrintestinais como diarréia25, náuseas26, vômitos5, glossite27 e estomatite28 são pouco freqüentes e sem gravidade.

Posologia e Modo de usar - ARIFENICOL

A administração deve ser feita por via endovenosa, dividida em 4 doses ou administração a cada 6 horas.
Adultos: 50 mg de cloranfenicol base por quilo de peso por dia. A dose máxima para adultos é de 4 g/dia. Em infecções graves, assim como em meningites, a dose pode chegar a 100 mg/kg/dia.
Crianças: 50 mg (base) por quilo de peso por dia; em prematuros e recém- nascidos com menos de 2 semanas de vida a dose é de 25 mg (base) por quilo de peso por dia.
A concentração sérica para a via parenteral, deve ser mantida entre 10 a 25 microgramas por ml.
A injeção1 endovenosa deve ser lenta, nunca em menos de 1 minuto.


Superdosagem - ARIFENICOL
Doses elevadas administradas de forma aguda podem levar à síndrome10 cinzenta do recém- nascido e raramente no adulto. Depressão medular pode ocorrer nesse caso.
Ingestão crônica de doses excessivas pode levar à depressão medular, neurites, deficiência de vitamina16 K e síndromes gastrintestinais.
Não existe antídoto29 e o tratamento consiste na manutenção e diálise peritoneal30 para eliminação do fármaco.


Pacientes idosos - ARIFENICOL

O produto pode ser usado por pacientes com idade acima de 65 anos, desde que se observe as precauções necessárias.
M.S. 1.0270.0053
Farm. Resp.: Drª Eliana de Paula D. Oriolo - CRF-SP nº 6.704
Ariston Indústrias Químicas e Farmacêuticas Ltda.

Rua Adherbal Stresser, 84 - Jardim Arpoador
São Paulo - SP - CEP 05566-000
Serviço ao Consumidor Ariston: 0800- 55-6222
C.N.P.J. 61.391.769/0001- 72 - Indústria Brasileira
Venda sob prescrição médica
Lote, fabricação e validade: vide embalagem



ARIFENICOL - Laboratório

Nenhum comentário:

Postar um comentário